Home / Tag Archives: casa & decoração

Tag Archives: casa & decoração

Feed Subscription

7 tonalidades naturais para usar na decoração

7 tonalidades naturais para usar na decoração

Arquitetas explicam como utilizar algumas cores para compor os ambientes Nos últimos anos, certas tendências de design de interiores não apenas se destacaram, mas também se mantiveram relevantes ao ajudar a criar ambientes tanto elegantes quanto acolhedores. Os tons naturais, por exemplo, têm ganhado destaque significativo. Este fenômeno reflete um período em que buscamos conexões profundas – com a natureza, com outros indivíduos e nós mesmos. Para explorar melhor essa tendência no décor, as arquitetas Carina e Ieda Korman, líderes do escritório Korman Arquitetos, analisam o apelo duradouro dessas cores e exemplificam como podem ser integradas de maneira harmoniosa em uma variedade de estilos decorativos. Confira! Por dentro do hype A busca crescente por bem-estar e conforto dentro das residências é o fator-chave para torná-las uma escolha bastante popular e relevante no design moderno. Mas não só isso, as profissionais da Korman Arquitetos explicam que as cores naturais são muito apreciadas pela capacidade de conceber um ambiente que parece estar sempre atualizado e nunca fora de moda. “Sem dúvidas, é uma forma de trazer a natureza para dentro de casa, algo que se tornou ainda mais importante nos últimos anos, com as pessoas buscando um refúgio contra o estresse cotidiano”, ressalta Carina Korman. Essas cores despertam sensações de calma e tranquilidade que atribuem um impacto psicológico positivo. Além disso, elas são extremamente democráticas e podem ser adaptadas para qualquer tipo de projeto, complementa Ieda Korman. “Sua versatilidade permite que sejam integradas em diversos estilos decorativos, desde o escandinavo ao rústico, garantindo uma estética atemporal “, diz. Além disso, as arquitetas analisam que a paleta está sempre em movimento, uma vez que sempre recebem atualizações por meio do desenvolvimento de novas tonalidades. Cores do momento As arquitetas garantem que a especificação dessas cores não se refere a uma moda passageira, pois oferecem uma paleta atemporal. Veja algumas dessas tonalidades e suas características únicas: 1. Bege areia Este tom suave é ideal para obter uma base neutra em qualquer ambiente. “O bege areia é extremamente versátil e pode ser empregado em qualquer cômodo, trazendo luminosidade e um toque de sofisticação”, comenta Ieda Korman. Ainda segundo ela, se sintoniza bem com outros tons, proporcionando um pano de fundo perfeito para o décor . No entanto, se aplicado em excesso, torna o ambiente monótono ou sem personalidade e, para evitar esse erro, é recomendada a complementação com texturas e acessórios variados. 2. Marrom chocolate Profundo e sofisticado, o marrom chocolate adiciona luxo e calor aos ambientes. “É ideal para detalhes em móveis de madeira ou acentos decorativos”, indica Carina Korman. A cor tem o poder de transformar uma sala comum em um espaço muito elegante. “Mas se usado demais pode endurecer a decoração. Por isso, combinamos com outras cores mais claras e iluminação adequada”, alerta. 3. Terracota Sua versatilidade permite a presença tanto em grandes superfícies quanto em detalhes. “ Vibrante, a terracota evoca o calor e pode ser aplicada em paredes ou acessórios para um toque mediterrâneo”, destaca Ieda Korman. Porém, sua intensidade pode dominar o ambiente se não for executada com moderação. 4. Verde oliva Remetendo às folhas das árvores, o verde oliva é relaxante. “Gosto muito quando o intuito é oferecer um ambiente natural e sereno, funcionando bem em salas de estar e quartos”, afirmam as arquitetas da Korman Arquitetos. Essa cor evoca frescor e conexão com o exterior, mesmo em ambientes urbanos. 5. Cinza pedregulho Este é um tom neutro que combina o melhor dos dois mundos: terrosos e modernos. “O cinza pedregulho é um convite à estabilidade e é perfeito para a arquitetura contemporânea de loft e estúdios”, diz Ieda. Ademais, ela acrescenta que a cor se complementa perfeitamente com materiais como o aço, ferro e o vidro. Porém, em demasia ele deixa o ambiente frio ou impessoal e, para evitar esse equívoco, Ieda e Carina Korman recomendam combiná-lo com texturas e cores mais intensas. 6. Amarelo Extasiante e alegre, o amarelo é ótimo para iluminar espaços e adicionar um toque mais quente. “Para quem tem medo de utilizar cores tão alegres, o amarelo pode marcar presença em detalhes como almofadas e mantas, entregando um efeito acolhedor”, sugere Carina Korman. 7. Vermelho telha Quente e convidativo, o vermelho telha é magistral na formação de pontos focais em um ambiente e seu tom profundo converte uma área simples em um espaço cheio de personalidade. Atenção: assim como aconselhado para as cores anteriores, o exagero oprime o ambiente. Bônus: equilibrando com estilos decorativos Escandinavo: vai bem com tons como bege areia e cinza pedregulho, sempre com o propósito de manter a estética minimalista e adicionar um toque de calor; Boho: combinações de terracota, verde oliva e amarelo ocre resultam em uma atmosfera vibrante e acolhedora; Rústico: marrom chocolate e vermelho telha são formidáveis para destacar a madeira e outros elementos naturais típicos desse estilo; Moderno: para um visual contemporâneo, cinza pedregulho e verde oliva agregam uma elegância sutil.

Read More »

3 dicas para escolher o armário para a cozinha

3 dicas para escolher o armário para a cozinha

Arquiteta explica como escolher um modelo que proporcione organização e beleza ao ambiente Além de dar mais funcionalidade e beleza, os armários de cozinha têm a função de armazenar e ocultar os utensílios, deixando o ambiente mais organizado e, consequentemente, impedindo que a gordura e a poeira entrem em contato com os objetos que lá estão. Também é uma ótima opção para quem quer investir no décor, pois com eles o local fica mais charmoso e sofisticado. Mas, apesar das vantagens que proporcionam para a cozinha , a tarefa de escolher o modelo ideal para o projeto pode ser complicada para o morador que desconhece os estilos, uma vez que existe uma grande quantidade de opções disponíveis. “É muito importante tirar as medidas completas do espaço destinado para o armário, assim trabalhamos com uma peça executada com exclusividade ou compramos aquela com o tamanho certinho, evitando dores de cabeça mais para frente. Também temos que ficar atentos às aberturas de janelas e com os vãos para os eletrodomésticos, de forma que tudo se encaixe perfeitamente”, explica a arquiteta Marina Carvalho, à frente do escritório que leva seu nome. A profissional ainda ressalta que, além de oferecer praticidade e boa estética, o armário de cozinha deve harmonizar com a proposta decorativa da cozinha, deixando o ambiente ainda mais agradável. Com diversos tipos de armários em seus projetos, Marina dá dicas de como harmonizá-los. Confira! 1. Cozinhas pequenas Em cozinhas pequenas é interessante pensar em armários sob medida, pois com eles é possível economizar espaço e deixar o cômodo mais compacto. Por ficarem suspensos, os armários aéreos também são de grande ajuda, pois além de contribuir com o armazenamento dos utensílios, não interferem na circulação de pessoas na cozinha. 2. Saindo do padrão Os armários de cozinha não necessariamente precisam seguir o mesmo modelo: a ideia é sempre pautada na análise que identifica qual a tipologia que atende melhor o layout e as demandas dos moradores. Para que se tenha organização e melhor distribuição dos utensílios, é interessante oferecer compartimentos bem definidos, auxiliando a divisão. 3. As cores fazem a diferença Além de proporcionar funcionalidade e praticidade aos moradores, a estética do armário de cozinha também deve ser levada em consideração. Dessa forma, as cores são elementos valiosos para conferir personalidade ao ambiente, cooperando até para integrar e ampliar o local. “Quando temos cores neutras nas paredes e no piso, conseguimos ousar um pouco mais. Assim, a marcenaria pode receber cores vibrantes ou que seguem o estilo de decoração do projeto, mas sempre tomando cuidado com os excessos”, finaliza.

Read More »

7 dicas para criar e valorizar a sala de TV

7 dicas para criar e valorizar a sala de TV

Veja como combinar conforto e bem-estar em um espaço com telas Ao longo dos anos, a TV conquistou mais e mais destaque, se tornando um dos principais meios de comunicação, informação e entretenimento do mundo moderno. Seja para conferir a programação oferecida pelos canais de televisão ou as tantas opções disponíveis nas plataformas de streamings , o aparelho segue presente nas salas. Porém, como aliar conforto e bem-estar durante essas ocasiões? Os profissionais do escritórios PB Arquitetura, Cristiane Schiavoni Arquitetura, Dantas & Passos Arquitetura e Patrícia Penna Arquitetura & Design de Interiores, relacionam as principais dicas que implementam em seus projetos. Confira! 1. Elabore um ambiente relaxante Em muitos projetos, quando um dos objetivos é a boa divisão dos cômodos da sua casa, a criação de uma sala de TV se torna essencial para separar um espaço específico de contemplação e relaxamento cercado pelos equipamentos certos. “A sala sem TV é mais dedicada à convivência e reunião de pessoas e, por isso, ressalta um décor mais leve composto por sofás, bancos e poltronas. Já o foco da sala de TV é sempre a tela: por isso, nosso processo consiste em elaborar um ambiente concebido com a ideia de relaxamento – desde a disposição do layout até a definição do mobiliário empregado”, explica Priscila Tressino. 2. Avalie as dimensões da sala de TV Segundo os profissionais, o primeiro passo para idealizar a sala de TV consiste em avaliar as dimensões do cômodo. Deve-se considerar aspectos como distância entre o sofá e a televisão, distribuição dos pontos de elétrica, uso de equipamentos de acústica e iluminação especial. Para protagonizar o projeto, o tamanho do equipamento precisa ser compatível com a área do ambiente – tanto por questões de harmonia entre os itens quanto pela comodidade visual. “Não adianta adquirir um aparelho enorme se o espaço é pequeno. É necessário ser compatível e respeitar uma certa distância dos demais objetos”, relaciona Bernardo Tressino. 3. Calcule o tamanho da televisão De acordo com os arquitetos, parâmetros simples direcionam a arquitetura de interiores. No caso da altura, é recomendado que o eixo da TV fique sempre na linha dos olhos – considerando a estatura de uma pessoa na posição sentada, as referências ficam entre 1,20 m e 1,30 m do piso. No quesito distância mínima e máxima, a dupla pontua as dimensões mínimas de 1,5 m e a maior de 2,5 m. Mas como elaborar esse cálculo? Considerando que as telas são indicadas em polegadas, é necessário realizar a conversão em centímetros, em que 1 polegada equivale a 2,54 cm. Acompanhe o exemplo para uma TV de 50″: (50*1,5) * 2,54 = 190,5 cm ou 1,90 m – em distância mínima. (50*2,5) * 2,54 = 317,5 cm ou 3,17 m – em distância máxima. 4. Escolha móveis confortáveis e acolhedores Além da televisão, outro direcionamento fundamental envolve a seleção de itens complementares para assegurar o clima confortável. Esta lista inclui um sofá macio e profundo, que pode até ser mais amplo para esticar as pernas. “Quanto mais acolhedor, melhor. Os modelos retráteis respondem bem para quem dispõe de uma sala pequena. A versão com chaise responde superbem para propostas mais amplas, que podem ser complementadas por pufes, usados tanto para se sentar como apoio para o balde de pipoca”, orienta a arquiteta Paula Passos, do Dantas & Passos Arquitetura. Como uma peça-chave da sala de TV, é indicado que o sofá seja gostoso ao toque, com encosto mais alto e com um estofado que “abrace” o usuário. “O sofá firme não é indicado para essa finalidade, mas para ambientes concebidos para o estar”, indica a arquiteta Danielle. No que se refere às cores dos tecidos, a indicação é adotar tons sobre tons sóbrios, sempre mais fáceis de combinar. Para complementar, um tapete com toque agradável ao pisar, uma iluminação adequada e a inclusão de cortinas e persianas blackout para o controle da luz natural são muito bem-vindas na concepção do home theater com ares de cinema. 5. Escolha o suporte certo Em geral, os racks costumam ser mais usados por pessoas que possuem muitos aparelhos conectados com a televisão. Mas também os suportes diretos na parede são muito vistos em estruturas de alvenaria e drywall – os painéis se mostram como soluções eficazes para esconder melhor a fiação sem precisar quebrar a parede. Oportunos para apartamentos pequenos e ambientes integrados, os suportes giratórios otimizam o espaço, permitindo que uma televisão possa servir dois tipos de ambientes. 6. Televisores nos quartos Queridinha não só das salas, podemos ver a televisão com frequência nos projetos dos dormitórios. A relação de tamanho de tela e distância da cama pode ser a mesma aplicada à sala de TV, mas, para que o morador possa assistir deitado, deve-se elevar para 1,40 m e 1,50 m de altura. Geralmente, é utilizado suporte para televisão. Porém, para definir o modelo apropriado, é preciso analisar a funcionalidade. “O suporte pode ser fixo de parede, articulado, de teto e até automatizado, a depender da especificidade do projeto. Em casos em que não há uma parede livre para pendurar a TV, ela pode ser instalada de maneira oculta, com flip embutido no forro, ou, ainda, dentro da própria porta do guarda-roupa, no projeto de marcenaria”, detalha Priscila Tressino. 7. Use uma boa iluminação A iluminação desempenha um papel crucial na criação da atmosfera ideal em uma sala de TV. Opte por iluminação indireta, como arandelas, luminárias de piso ou fitas de LED, visando evitar reflexos na tela da televisão e proporcionar uma atmosfera suave e relaxante. Instalar luzes com dimmer oferece flexibilidade para ajustar a intensidade da luz conforme necessário, garantindo uma experiência de visualização confortável durante a noite.

Read More »

6 vantagens do maximalismo para a decoração

6 vantagens do maximalismo para a decoração

Veja como essa tendência permite mesclar estilos, cores, texturas e muito mais Nos últimos anos, os projetos de design de interiores têm sido dominados por estéticas minimalistas. Todavia, em 2024, uma nova tendência vem ganhando destaque: o maximalismo. Em contraste com a simplicidade e a sutileza do minimalismo, essa ideia abraça a exuberância, a abundância de detalhes e uma paleta de cores vibrantes. Neste estilo, a decoração não apenas preenche os espaços, mas conta histórias e reflete a personalidade dos moradores. A seguir, a Yamamura e a arquiteta Michele Wharton explicam as vantagens de adotar essa tendência na decoração! “Para mergulhar neste universo, é preciso ter coragem e personalidade. O maximalismo permite mesclar estilos, estampas, texturas, desenhos e cores com o uso da criatividade”, comenta a profissional. 1. Abraçando estilos No maximalismo não é preciso mais seguir um modo de decoração único. A ordem agora é buscar tudo aquilo que é belo e que faça sentido na composição de um lar, ou seja: “vale misturar o estilo clássico, moderno , contemporâneo, neoclássico, rústico, praiano, industrial e o que mais os moradores sentirem vontade!” , reforça a arquiteta. 2. Cores em alta Quem gosta de tonalidades vivas e alegres, com certeza irá se identificar! Afinal, é possível combinar tons vibrantes em um único ambiente, além de investir em paredes, revestimentos e quadros coloridos, com gravuras chamativas, basta saber equilibrar! 3. Muitas vidas em uma só O maximalismo é perfeito para aquelas pessoas que já viajaram bastante, ou fizeram imersões por diversos estilos de vida, cultura, ou trabalho, pois poderão revelar um pouco do que vivenciaram por meio de objetos, fotos, obras de arte, livros, móveis, entre outros elementos. Mesmo para quem ainda não passou por tantas experiências, o estilo pode representar uma abertura para o novo, um primeiro passo para conhecer outras formas de viver. Por fim, para os apaixonados por antiquários, brechós, sebos e feiras de troca, o movimento é uma oportunidade para garimpar itens. 4. Móveis contam histórias Como citado no tópico anterior, os antiquários, as lojas de móveis antigos ou de madeira de demolição são sugestões para compor o mobiliário. O maximalismo permite, por exemplo, incluir um sofá moderno ao lado de uma mesinha lateral clássica, com um antigo rádio de família como item decorativo e sentimental. 5. Texturas e sensações Diferentes tipos de tecidos podem ser utilizados em um mesmo ambiente – por meio de tapetes, mantas, cortinas, almofadas , enxovais – a fim de promover uma experiência diferenciada do toque, por meio da sensação obtida no contato com cada superfície. 6. Estampas e padrões Na hora de pensar em padronagens, vale investir em elementos grandes, coloridos e criativos – tais como étnicos, abstratos, psicodélicos, divertidos, folhagens, florais, geométricos, mosaicos, entre outros. Porém, os espaços precisam ser bem pensados para criarem uma harmonia visual . Dessa forma, talvez seja interessante a mescla com cores neutras nas paredes ou pisos próximos aos padrões escolhidos.

Read More »

5 tipos de pedras para usar em bancadas

5 tipos de pedras para usar em bancadas

Arquiteta elenca as vantagens e desvantagens de cada material para diferentes ambientes A pedra da bancada, seja na cozinha, no banheiro ou na área gourmet, desempenha papéis fundamentais tanto estéticos quanto funcionais. Esteticamente, ela contribui significativamente para o visual do ambiente, proporcionando uma sensação de elegância e sofisticação. Quanto à funcionalidade, oferece durabilidade e resistência, suportando o uso diário e proporcionando uma superfície sólida para atividades como preparação de alimentos, higienização e entretenimento. Por isso, a seguir, a arquiteta Camilla Bischoff explica sobre os principais tipos de pedras e lista as vantagens e desvantagens de cada uma delas. Confira! 1. Mármore O mármore é uma escolha clássica e atemporal, conhecido por sua beleza e elegância, disponível em uma variedade de cores e padrões. Ele é altamente durável e pode ser usado em uma variedade de aplicações, desde bancadas de banheiro até pisos e revestimentos de paredes. Vantagens: elegância e beleza atemporal, adicionando um toque de luxo a qualquer espaço. Desvantagens: menos resistente a manchas e arranhões em comparação com outros materiais, exigindo cuidados extras de manutenção. Dessa maneira, não é indicado para cozinhas. 2. Granito Assim como o mármore, o granito é uma pedra natural muito procurada devido à sua durabilidade e variedade de cores e padrões. Ele é frequentemente usado em bancadas de cozinha, área gourmet, banheiro e áreas de trabalho devido à sua resistência a arranhões e manchas. Vantagens: extrema durabilidade e resistência a arranhões, calor e manchas, ideal para áreas de alto tráfego como cozinhas. Desvantagens: pode ser mais suscetível a rachaduras se não for instalado corretamente devido à sua natureza porosa. 3. Quartzo O quartzo é uma opção popular para quem busca durabilidade e baixa manutenção. Feito de quartzo natural misturado com resinas e pigmentos, o material oferece uma ampla gama de cores e padrões. Ele é frequentemente usado em bancadas de cozinha e banheiro. Vantagens: grande variedade de cores e padrões disponíveis, além de ser resistente a manchas e fácil de limpar. Desvantagens: pode ser menos resistente ao calor do que o granito; portanto, é importante usar suportes de panelas para evitar danos. 4. Pedra Sabão Essa pedra natural tem sido cada vez mais procurada devido à sua beleza única e ao seu acabamento suave ao toque. Ela é frequentemente usada em bancadas de cozinha e banheiro. Vantagens: textura suave e agradável ao toque, com uma aparência única e rica que adiciona charme e originalidade a qualquer espaço. Desvantagens: menos resistente do que outras opções de pedra, sendo mais propensa a arranhões e danos se não for cuidada adequadamente. 5. Corian É uma superfície sólida feita de uma mistura de minerais naturais e resinas acrílicas. Ele é conhecido por sua versatilidade e durabilidade, além de oferecer uma ampla variedade de cores e acabamentos. Vantagens: versatilidade para criar designs personalizados e integrar pias e cubas sem vincos visíveis, oferecendo uma estética moderna e limpa. Desvantagens: menos resistente a arranhões e ao calor do que algumas opções de pedra, exigindo cuidado extra ao usar panelas quentes e objetos afiados, além de ter um custo maior do que a maioria das pedras. Assim, ele não é muito indicado para área gourmets e cozinhas. Como combinar as pedras com o estilo de decoração? Para quem gosta do estilo clássico/elegante, a arquiteta explica que as pedras mais indicadas são o mármore, nas cores branco ou creme. “Ele é ideal para criar uma atmosfera sofisticada e atemporal, harmonizando com móveis e acessórios de estilo clássico”, revela. Além desse, Camilla também indica o granito preto absoluto. “A pedra adiciona um toque de luxo e drama, especialmente em cozinhas e banheiros, destacando-se com armários de madeira escura e metais polidos”, afirma. No caso do moderno/minimalista, a especialista diz que o quartzo cinza e preto é a melhor opção, pois “proporciona uma base neutra e elegante para um design contemporâneo, complementando linhas limpas e minimalistas de móveis e acessórios”. Mas se você prefere a decoração escandinava ou rústica/industrial, ela indica o corian branco/cinza ou o granito no tom verde/marrom e pedra sabão em tons terrosos, respectivamente. Isso porque a pedra corian combina perfeitamente com a estética clean e minimalista do estilo escandinavo, proporcionando uma sensação de luminosidade e serenidade. Enquanto isso, o granito nas tonalidades citadas oferece ao ambiente rústico a sensação de calor, complementando os materiais utilizados na decoração. “Já a pedra sabão em tom terroso imprime uma atmosfera acolhedora e orgânica, trazendo uma sensação de conexão com a natureza em ambientes industriais ou rústicos”, completa a arquiteta. Limpeza e durabilidade Para maior durabilidade e beleza das pedras, é imprescindível a manutenção regular, começando sempre com uma boa limpeza. “Para as pedras em geral, a limpeza pode ser realizada com água morna e sabão neutro ou detergente específico para pedras naturais. Evite usar nelas produtos de limpeza ácidos”, esclarece Camilla. Para evitar manchas, a arquiteta recomenda a aplicação de um selante ou impermeabilizante adequado para proteção contra manchas. “Porém, caso ocorra alguma mancha, tente limpá-las imediatamente com uma solução de água e detergente ou um removedor específico para o tipo de pedra. Evite deixar derramamentos de líquidos por longos períodos, pois podem penetrar na pedra e causar manchas permanentes”, explica a profissional, ressaltando que para pedras menos resistentes ao calor, é indicado o uso de suporte de panelas para evitar danos, como trincas. Se o problema é o aspecto das pedras mais antigas, Camilla Bischoff diz que é possível recuperá-las. “Para isso é preciso usar algumas técnicas, como polimentos e lixamentos que irão remover danos mais profundos. Sempre recomendo, para esses casos, a contratação de profissionais mais experientes e qualificados para a realização do serviço”, finaliza a profissional.

Read More »

Veja como inserir revestimentos coloridos e desenhados na decoração

Veja como inserir revestimentos coloridos e desenhados na decoração

Arquitetas explicam a relevância desse estilo que fez sucesso no passado e retornou com uma leitura mais moderna No passado, a aplicação do azulejo era mais concentrada na cozinha e exercia uma função mais técnica, como revestimento de paredes. Mas hoje em dia essa visão mudou. Além de cobrir as faces que determinam o perímetro dos ambientes, ele alçou status e é reconhecido como elemento importante na decoração. Repleto de personalidade, o material ganhou estampas modernas, texturas, cores, formatos diversificados e a possibilidade de estar em qualquer cômodo da casa. Entre suas principais vantagens estão a facilidade de limpeza e a inserção em áreas modernas. “Hoje, nós temos também o porcelanato que, embora mais fino, apresenta resistência superior ao azulejo. Entretanto, deve-se fazer a comparação entre um e outro não apenas no quesito resistência, como também pela facilidade de instalação e o conceito desejado para o décor. Sem dúvidas, o azulejo é uma escolha acertada quando o intuito é deixar a parede muito bem-marcada”, explica Claudia Yamada, sócia do escritório Studio Tan-Gram ao lado da também arquiteta Monike Lafuente. Por que usar azulejos decorados? De origem árabe – da palavra azuleicha , ou ‘pedra polida’ em bom português –, a técnica já era usada pelos egípcios, que decoravam seus edifícios e mesquitas com peças cerâmicas, trazendo beleza e expressando o dia a dia da época. A dupla do Studio Tan-Gram revela sua predileção por sempre escolher um ponto do projeto para trabalhar com o azulejo decorado, haja vista que, além da beleza, gostam de resgatar o contexto histórico que o item carrega. “Tem toda uma questão de identidade para o projeto. O produto certo, que é aquele alinhado com a proposta decorativa do projeto, tem o poder de trazer mais vida para o ambiente, deixando com um ‘quê’ afetivo e cara de lar. Eles realmente se destacam no pedaço onde são usados e nós apreciamos essa característica singular que ele insere”, afirma Monike. Diferenças entre azulejo decorado e ladrilho hidráulico Tudo é uma questão de técnica e produção. O azulejo decorado pode ser feito de maneira artesanal, quando pintado à mão, ou industrial que, depois da peça produzida, conta com um sistema de impressão pré-configurado. O ladrilho hidráulico, por sua vez, é produzido com cimento e corantes. “Não é uma pintura por cima, realmente é um corante no cimento. Ele é comprimido em prensa e feito de maneira artesanal, sem brilho e, apesar de sua alta resistência e durabilidade, é muito poroso. Por isso, é imprescindível a aplicação de um impermeabilizante”, afirma Claudia. Dentro desse contexto manual, a arquiteta enfatiza que o morador deve estar consciente que possivelmente, quando empregado em piso, faixas acima da parede da pia ou atrás do fogão, a peça, com o tempo, pode acumular manchas. Apesar de muitas pessoas não gostarem dessas marcas do tempo e dos acontecimentos, elas são uma das características que traz todo o charme para o ladrilho hidráulico. Azulejos com padrões diferentes Segundo Monike e Claudia, cada marca encontrada no mercado dispõe de um portfólio de azulejaria. No processo de especificação para os projetos, elas relatam os critérios que analisam para obter a definição de qual proposta desejam aplicar. “Tanto podemos investir em revestimentos bem pintados, coloridos e com desenhos geométricos, como também investir em peças com uma única cor e lisas, como os tão queridinhos azulejos de metrô”, orientam as profissionais, que completam: “agora, se a intenção for seguir uma linha mais artesanal, o ladrilho hidráulico, embora com as ressalvas que destacamos, reina absoluto. E com isso, um fator dominante é o valor que se pode gastar”. Dimensões do azulejo Para as arquitetas, não há dimensão ideal para a instalação nos projetos. E para os azulejos se destacarem de forma marcante, elas sugerem a busca por peças menores, como 7cm x 40 cm, 7 cm x 15 cm, 20 cm x 20 cm ou 15 cm x 15 cm. “Com dimensões de 30 x 30 cm para cima, o revestimento perde essa especificidade como um azulejo e acaba ficando mais com um ar de acabamento da construtora, o oposto do conceito de um azulejo decorado”, explica a dupla. Rejuntes: o que levar em conta na hora de escolher Definir o rejunte certo é fundamental para o sucesso do revestimento na parede, pois além de vedar o encontro entre as peças, compensar quaisquer imperfeições e absorver as tensões que podem ocasionar em trincas e possíveis descolamentos, o material contribui para evitar os temidos problemas de infiltrações. Dependendo de sua cor, o rejunte traz um efeito diferente à leitura das peças. De acordo com as arquitetas, o mercado oferece três tipos de rejuntes. O mais comum é o cimentício, empregado na maioria das construções e, por suas características, requer uma manutenção mais frequente no dia a dia da casa. Já o acrílico figura em um nível intermediário com uma durabilidade um pouquinho maior e um acabamento mais liso. Por fim, o epóxi é reconhecido como o mais resistente e longevo, requerendo baixa manutenção. Paginação A paginação é a etapa realizada antes de assentar os revestimentos na obra. Para isso, é essencial definir qual desenho será composto pelas placas cerâmicas e, dessa forma, considerar o percentual de perda – resultado dos cortes e ajustes em função da área a ser coberta. “Em geral, no momento de calcular estimamos uma adição de 10%, mas a depender do estilo de paginação a ser disposto, esse volume pode ser previsto em até 30%”, explicam as profissionais. Segundo Claudia e Monike, os principais estilos de paginação são: Paginação aninhada: as placas apresentam tamanhos e formatos iguais e mantém um alinhamento constante. É indicado para locais amplos , sem muitos obstáculos e, por apresentar um volume menor de corte, é uma opção econômica; Paginação vertical: nesse tipo de assentamento, o sistema considera a orientação das peças no sentido vertical. Geralmente, adotada como um ‘truque’ para ampliar a percepção de altura do pé-direito; Paginação horizontal: ao contrário do vertical, os azulejos são dispostos de acordo com o eixo horizontal, aumentando a largura da superfície. Por isso, pode ser executada em paredes de locais menores, como banheiro; Paginação diagonal: com peças instaladas em um ângulo de 45 graus, esse estilo de revestimento requer um volume maior de corte de peça; Espinha de peixe: bastante queridinha nos projetos contemporâneos, o estilo dá a impressão de um zig zag. A formatação também demanda um volume maior de cortes das peças. Escama de peixe: semelhante à espinha de peixe, a diferença está na direção das peças, que ficam em um ângulo de 90 graus; Transpasse padrão e transpasse aleatório : nesse modo de colocação, o azulejo é colocado um do lado do outro, mas com o final desencontrado. A decisão por um ou por outro depende também das orientações dos fabricantes quanto à diferença entre o final de uma peça com a outra.

Read More »

7 dicas práticas para acertar na decoração da sala de estar

7 dicas práticas para acertar na decoração da sala de estar

Veja como alguns elementos podem ajudar a tornar esse ambiente mais aconchegante e funcional A sala de estar é o coração de qualquer casa, pois é o lugar em que a família se reúne para relaxar, socializar e criar memórias. Por isso, é essencial que sua decoração seja convidativa, funcional e reflita o estilo pessoal dos moradores. “A valorização de espaços de convivência social nas residências ressurge como resposta à importância de restaurar e prezar nossas relações. São ambientes cuidadosamente projetados para exalarem uma atmosfera de contato e diálogo, sendo considerados, para nosso escritório, poderosos instrumentos para famílias mais vibrantes, saudáveis e que estimam também suas relações externas com parentes e amigos”, refletem Ieda e Carina Korman, profissionais à frente do escritório Korman Arquitetos. Confira, a seguir, 7 dicas práticas para te ajudar a transformar a sala de estar em um espaço aconchegante e elegante. 1. Escolha um tema ou estilo coerente Antes de começar a decorar, decida sobre um tema ou estilo para a sua sala de estar . Pode ser moderno, rústico, minimalista, boêmio, entre outros. “Além de promover sensações de conforto visual, térmico e auditivo, a decoração planejada cria a sensação de bem-estar e acolhimento”, afirma Monica Pajewski, designer de interiores. 2. Priorize o conforto A sala de estar é um espaço de convívio e relaxamento, portanto, o bem-estar é fundamental. Invista em móveis confortáveis, como sofás e poltronas, e adicione almofadas e mantas macias para criar uma atmosfera acolhedora. “Para a disposição dos móveis, devemos sempre verificar se há uma boa circulação entre a entrada e a saída do ambiente. O posicionamento errado dessas peças pode afetar o conforto e a funcionalidade do espaço”, explica a arquiteta Ingrid Souza. 3. Iluminação adequada A iluminação desempenha um papel crucial na atmosfera de uma sala de estar. “Hoje, a iluminação de LED é bem mais acessível, temos diferentes tamanhos, cores e opções. Além disso, é possível fazer suas próprias luminárias . Há soluções muito inteligentes e criativas. No YouTube, por exemplo, há vários vídeos ensinando alternativas que dão essas opções”, conta a arquiteta e urbanista Paula Blankenstein. 4. Maximize o espaço Para manter a sala de estar organizada e livre de bagunça, aproveite ao máximo o espaço de armazenamento disponível . Escolha móveis multifuncionais, como mesas de centro com prateleiras ou com espaço interno para guardar itens, e incorpore prateleiras ou estantes para exibir livros, plantas e objetos decorativos. 5. Explore o poder dos espelhos Os espelhos são excelentes recursos para ampliar visualmente o espaço e adicionar luminosidade à sala de estar. Posicione-os estrategicamente em locais onde possam refletir a luz natural ou artificial e criar a ilusão de um ambiente mais espaçoso e arejado. 6. Personalize com detalhes Adicione toques pessoais à decoração da sala de estar para torná-la verdadeiramente sua. Plantas , por exemplo, são uma ótima opção. Segundo a arquiteta e urbanista Gloria Brandão, “a incorporação da natureza no ambiente construído tem a capacidade, por exemplo, de reduzir a ansiedade e, quando incorporada aos interiores residenciais, traz conforto e bem-estar a quem utiliza estes espaços”. 7. Contrate um especialista em decoração Considerar a contratação de um especialista em decoração pode proporcionar orientação personalizada. “O profissional especializado interpreta o ambiente, define as prioridades e harmoniza os elementos decorativos de forma técnica, criando percepções e transformando o local em um verdadeiro espaço acolhedor”, afirma a designer de interiores Monica Pajewski.

Read More »

5 dicas para usar nichos e prateleiras nos ambientes

5 dicas para usar nichos e prateleiras nos ambientes

Arquiteto explica como utilizar esses elementos para compor a decoração da casa A exibição cuidadosa de objetos que refletem nossa personalidade e história pessoal é uma maneira poderosa de expressão em nossos espaços. Seja um troféu de conquista, uma coleção de livros amados ou vasos que trazem a natureza para dentro de casa, cada item tem seu significado especial. Para destacar esses tesouros, nichos e prateleiras desempenham um papel fundamental na decoração de interiores. No entanto, a escolha e instalação desses elementos requerem cuidado e planejamento para garantir funcionalidade, estabilidade e estética harmoniosa. “É uma missão que demanda expertise e atenção aos detalhes, pois, para evitar imprevistos, é preciso levar em consideração o que e como se pretende expor”, diz Bruno Moraes, arquiteto do BMA Studio. A seguir, confira algumas dicas para usar nichos e prateleiras nos ambientes corretamente! 1. Atenção com o dimensionamento A importância da instalação correta de nichos e prateleiras vai além da questão prática, pois, quando bem posicionados, otimizam o uso do espaço e influenciam na percepção do ambiente. Para o arquiteto do BMA Studio, o dimensionamento inadequado resulta em ambientes em que o desequilíbrio compromete a estética geral. “Os desafios inerentes ao design de nichos e prateleiras são muitos e começam pelo balanceamento das dimensões. Altura, profundidade e distância devem ser calculadas minuciosamente, considerando não apenas a funcionalidade, mas também a harmonia”, ressalta Bruno Moraes. Primeiramente, deve-se ter noção do que será exposto, uma vez que essa informação influenciará, principalmente, na altura. “Um objeto importante e de valor sentimental merece destaque; por isso, é interessante estar na altura dos olhos. Outra possibilidade é dispor em um ponto mais alto, permitindo uma ampla visualização”, exemplifica o profissional. Já a localização dos nichos e prateleiras devem ter em vista a entrada de luz natural, a circulação no espaço e a integração com outros elementos. Além disso, quando se trata de nichos, a espessura da parede ou do móvel onde eles serão embutidos precisa ser averiguado tanto em profundidade como nas dimensões do item a ser exposto. 2. Cálculo de carga Calcular o peso dos itens que serão acomodados nos nichos e prateleiras é outro ponto que Bruno enumera para garantir a segurança. O descuido pode provocar riscos significativos, incluindo desabamento, instabilidade estrutural, lesões e danos materiais, além de prejuízos financeiros. Ele aponta que, com o auxílio técnico de profissionais especializados, o projeto assegurará as especificações técnicas do material usado, sua resistência à flexão ou compressão e outros fatores como o método de fixação. “Para entender a carga suportada, analisamos o material da própria prateleira. Uma de vidro é diferente de uma de madeira que, por sua vez, também não é semelhante a um modelo de metal”, compara o arquiteto. Na sequência, ele examina o local de fixação, pois de nada adianta um item robusto se a parede não aguentar o peso. Em uma parede de drywall , ele diz que o ‘problema’ é resolvido com a instalação de um reforço nos montantes internos da estrutura. “Isso é muito comum e executamos frequentemente em reformas e obras”, diz. 3. Cuidado com a estética A delicadeza do design está na capacidade de integrar os nichos e as prateleiras de maneira a contribuir com a atmosfera desejada sem monopolizar a atenção. “Um nicho mal alinhado ou com espaçamento incorreto compromete seu foco principal, que é o de valorizar o objeto exposto”, explica Bruno. O arquiteto também discorre sobre a confusão visual causada pelo excesso, pois o olhar humano fica perdido – uma expectativa oposta ao pretendido. Para o profissional, prateleiras flutuantes são sinônimos de leveza e, para tanto, precisam ser estruturalmente sólidas. Aço inox e pedras naturais possuem uma resistência superior em áreas externas e outros materiais vão depender do local, pois cada casa é um caso. Em apartamentos pequenos, esses componentes se tornam soluções para maximização do aproveitamento do espaço. A funcionalidade se torna imperativa e o design inteligente permite a organização eficiente de objetos, livros e adornos, promovendo não apenas a beleza visual, mas também a praticidade cotidiana. O arquiteto conta que já chegou a realizar nichos em apartamentos pequenos ao quebrar, literalmente, a parede para surgir o fundo do nicho. “Fiz isso, pois o apartamento era tão pequeno, que um nicho sobreposto na parede, atrapalharia a circulação”, recorda-se. 4. Uso de nicho em banheiros e áreas externas Segundo Bruno, um nicho dentro do box pede o uso de pedra natural, porcelanato ou cerâmica. Já do lado de fora, o banheiro pode ter nichos e prateleiras executados em marcenaria. Por conta das intempéries, as áreas externas requerem, por exemplo, o nicho ou as prateleiras de aço inox, galvanizado com a aplicação de um fundo e pintura própria para áreas suscetíveis ao tempo, ou de madeira maciça, desde que devidamente impermeabilizada para sua integridade. 5. Iluminação como aliada A iluminação adequada enfatiza elementos decorativos, realça características e concede pontos focais no ambiente. O uso de perfis de LED é o mais recomendado, mas o profissional do BMA Studio também sugere spots direcionáveis e luminárias de sobrepor. Ele também adverte sobre a atenção em considerar a temperatura de cor da luz, IRC e intensidade dos lumens como meios de prover uma iluminação mais atraente.

Read More »

Veja como utilizar o sofá curvo na decoração

Veja como utilizar o sofá curvo na decoração

Arquiteta revela como usar esse mobiliário para compor um ambiente aconchegante e elegante Atemporal, marcante e elegante são alguns dos adjetivos que podemos aplicar ao sofá curvo. Em um primeiro olhar, pode não parecer, mas seu desenho arqueado revela o estilo multifacetado e versátil, que pode compor tanto um décor com detalhes que remetem ao passado como um ambiente com estilo sofisticado, especialmente quando revestido com veludo. De volta aos projetos de interiores Embora o design tenha sido preterido durante algumas décadas, nos últimos tempos o sofá curvo reconquistou seu posto nos projetos de interiores, revelando-se como uma peça coringa. E se antes ele era adotado como uma ode aos móveis com estilo dos anos 1950 e 1960, ou mesmo como uma forma de marcar tendência, a leitura atual agrega uma nova proposta para experimentá-lo: o mobiliário aproxima as pessoas, estreita o convívio e traz comodidade. De acordo com a arquiteta Ana Rozenblit, a maior vantagem do sofá curvo é o encaixe perfeito, com facilidade, e em qualquer ambiente, ao contrário de um sofá com linha reta. “Gosto muito da flexibilidade e da dinâmica diferente que ele traz ao espaço”, revela. “E seu emprego vai muito além do living: costumo especificá-lo também na decoração do dormitório, como também nas varandas”, conta. A escolha do sofá não depende apenas de medidas Fazer a escolha certa do tamanho do sofá envolve muitas variáveis, mas acertar na matemática não é tão complicado. É preciso, acima de tudo, levar em conta a área disponível e a proposta esperada para o móvel. Com a possibilidade de compor tanto projetos maiores como aqueles mais compactos, alguns critérios precisam ser levados em consideração. “É fundamental analisar tanto as medidas disponíveis no espaço como também a relação com os demais ambientes, principalmente se forem integrados. Por exemplo, um sofá com estrutura grande posicionado próximo a entrada de um apartamento pequeno , pode dar um ar dissonante. O móvel pode estar adequado ao cômodo onde foi cogitado, mas, sobretudo, precisa ‘dialogar’ com o seu entorno”, avalia Ana Rozenblit. Pensando na colocação, o modelo curvo tanto pode assumir a função de sofá de canto, proporcionando mais espaço de circulação em uma sala de estar pequena, ou pode ser disposto como uma peça ‘solta’, exercendo o caráter de demarcar os ambientes integrados. Para não errar, a arquiteta indica um espaçamento de 1,5 m, permitindo uma passagem fluída do morador. Empregando o sofá curvo no décor É importante que o design do sofá curvo esteja em harmonia com o décor predominante no ambiente. Por ser um móvel que protagoniza e chama atenção, a arquiteta explica que o contraponto entre todos os elementos se faz necessário para que ele não roube a cena. “É claro que o sofá curvo é especial, mas o equilíbrio deve ser aplicado justamente para que os demais mobiliários e objetos não desapareçam”, acrescenta. Cores para o sofá Quanto às cores, em se tratando de salas pequenas, por exemplo, ou para os moradores com preferências pelos estilos minimalista, clássico ou clean , a dica é optar por sofás curvos em uma paleta de tons claros como branco, bege e cinza-claro. Agora, se a intenção for explorar a exuberância do design e conceber um ambiente mais jovem e descontraído, o projeto pode investir na aplicação de cores fortes, como o amarelo, laranja, verde, azul e roxo, entre outras possibilidades. “Na composição, gosto sempre de criar uma cor e um movimento com almofadas e acessórios. Seja num canto de varanda ou em uma sala de estar, tenho usado verde musgo, rosa, rosa chiclete e laranja ferrugem”, indica a arquiteta. Lugar ideal para ele No tocante ao layout dos espaços, em salas com formato retangular, a profissional recomenda eleger uma parede de destaque para receber o sofá curvo. Já em salas quadradas, a indicação é trazer o móvel mais para o centro, permitindo que as pessoas circulem em seu entorno. E para aqueles que não abrem mão de um tapete para complementar, é possível incluir versões quadradas, retangulares ou redondas, desde que preencha toda a parte debaixo do sofá curvo. Além de agregar beleza na decoração, o sofá curvo deve ser responsável por acrescer conforto ao ambiente, por isso é valioso considerar um estofado que realmente proporcione a sensação de bem-estar. Nesse mix, as almofadas são muito bem-vindas, pois ornamentam e trazem aconchego. Dicas para utilizar o sofá curvo Os sofás curvos são uma tendência crescente na decoração de interiores, combinando elegância e funcionalidade. Porém, para destacar o design do mobiliário no ambiente, algumas dicas precisam ser utilizadas, como: Mantenha o entorno do sofá livre: garanta que haja espaço suficiente ao redor do sofá para uma circulação confortável. Evite posicionar móveis ou outros objetos muito próximos, pois pode bloquear o acesso e criar uma sensação de aperto; Invista em iluminação: coloque luminárias de piso em um ou ambos os extremos do sofá para criar um ambiente acolhedor e iluminar adequadamente a área de assento. Se preferir, instale luzes embutidas no teto para destacar a forma do sofá sem sobrecarregar o ambiente com luminárias de mesa; Posicione adequadamente os itens decorativos: utilize quadros ou espelhos acima do sofá para equilibrar a altura do móvel e preencher a parede de maneira elegante; Utilize protetores para sofá: para manter o estofado limpo e a durabilidade do mobiliário, utilize protetores de tecido ou couro, isso evita manchas e desgastes, especialmente se o sofá estiver em uma área de uso intenso.

Read More »
Scroll To Top

Delas